domingo, setembro 18, 2016

Perda de identidade

As minhas linhas de hoje são dirigidas a duas pessoas que conheço, há alguns anos, e que tenho para mim que não são felizes. Ou completas, se preferirem.
Não interessa quem são. Interessa-me mais que leiam estas linhas. Que interiorizem a informação e que consigam sair de uma vez por todas das relações nas quais se encontram porque confundem "amor" com "pena" e isso não é bom. Nem para as relações (que passam a ser de fachada) quer para elas, na medida em que há um desgaste enorme e uma quase total eliminação da força anímica e ou inteligência emocional. São pessoas com idades diferentes e experiências ou percursos de vida naturalmente diferentes. Ainda assim, em ambas as relações, há um denominador comum: infelicidade. E em ambos os casos causada pela falta de atenção complementada pela (quase certa e conhecida) infidelidade dos respectivos.
A minha (e de qualquer pessoa) questão é: porquê manter a relação? A resposta certa nem elas sabem. Dizem-me que amam as pessoas com quem estão. Eu rebato dizendo que o "amor" não pode ser a justificação para a infelicidade que vivem e o aparar todos os golpes e faltas de consideração que vão vivendo. Oiço silêncio do outro lado. E invariavelmente surge a mudança do tema. Não querem aprofundar muito o tema. Porque não lhes interessa. Porque têm medo de deixar fugir aquele que as magoa. Que não as respeita. Que não está minimamente interessado em melhorar o quotidiano de ambas. E asseguro que, conhecendo-as como conheço, é preciso muito pouco para conseguir tal feito. Muita pena que não lhes seja dado o devido valor.

Sem comentários: