domingo, novembro 20, 2016

Desencontros

A nossa vida é pautada por encontros e desencontros. A questão resume-se a uma palavra: disponibilidade. Quando a temos alguém não tem e quando esse alguém a tem, não a temos nós. Nada de novo até aqui.
Desde há alguns anos a esta parte que a minha vida é marcada por um rigoroso e disciplinado programa de treinos. Já aqui tenho falado disso por diversas vezes. A consequência imediata é precisamente um necessário (e lógico) tempo de descanso. Já que não consigo fechar a boca (prazer em comer) em alguma coisa tenho de me sacrificar: descanso. Desde a semana passada que comecei a deitar-me mais cedo. O mais tardar às 2230H. Esforço-me por isso. Bem sei que é muito cedo..mas se não tentarmos ou nunca "forçarmos" o organismo a (mais uma) disciplina, nunca saberemos, certo?
Com tudo isto que descrevo acima, há vários desencontros que se têm vindo a replicar. Porque ainda não descobri como treinar o que treino e ter forças para ainda assim estar fresco para sair à noite. Ou a dividir-me e estar com todas as pessoas que cobram a minha companhia. Ou por exemplo, conseguir agendar uma noitada daquelas rijas ao fim de semana. O meu organismo não autoriza. Não é exequível. Diz-me logo para ter juízo e obriga-me a defender mais - faz-me descansar. Recuperar energias. Porque em menos de nada outra semana está a começar não tarda.
Claro que isto não é desculpa. Quando se quer mesmo, arranja-se tempo. Arranja-se vontade. A questão é que do outro lado, curiosamente, também nem sempre vejo isso. Vejo pontualmente, mas não vejo de forma consistente uma vontade consolidada. Se assim fosse a vontade do encontro era mútua. E a dois, consegue-se mais facilmente o encontro. Contudo, como tenho esta actividade física tão regrada e intensa, é mais fácil dizer que sou eu quem não quer os encontros por via do meu (necessário) descanso. E isso não é totalmente verdade. Em primeiro lugar estarei sempre eu. Mas não sou nada avesso nem contra à questão dos encontros. E volto a dizer...quando se quer, a dois, consegue-se!

Sem comentários: