domingo, dezembro 25, 2016

Dia de Natal

Em primeiro lugar, os meus votos de um Santo Natal para os(as) meus(minhas) seguidores(as) na companhia daquelas pessoas que mais estimam.
Em segundo lugar, uma palavra de conforto e de força para essas mesmas pessoas que por alguma razão não podem ter alguém especial perto. Quer pela ordem natural das coisas, quer por via de alguém estar longe em trabalho.
Em terceiro e último lugar, (mais uma vez) a minha opinião sobre o Natal. Creio que todos os anos escrevo sobre o Natal. E invariavelmente, a minha opinião não se tem alterado. É a época de Família à volta da mesa. Do bacalhau cozido, do perú, rabanadas, coscorões e das azevias e de tudo o resto que faz parte desta quadra. Um momento de harmonia. De paz. De partilha. Mas também de Fé. E aqui surjem os meus pensamentos.
O Natal é uma festa dos cristãos-católicos. Simboliza o nascimento do único filho de Deus, Jesus Cristo. A troca de prendas que se faz nesta altura é o simbolismo das ofertas que foram dadas pelos Reis Magos ao menino Jesus. Ou seja, em bom rigor é um momento simbólico. E bíblico, facto que ninguém certamente contestará. A minha questão mais uma vez é: porque celebram o Natal os ateus? Ou melhor, porque trocam os ateus as prendas? Tradição, dizem-me as pessoas com quem falo sobre isto. É um argumento interessante, mas que peca por ser "curto". Se passar a ser tradição participar no fim de cada mês numa manifestação pela inocência de um ex-Primeiro Ministro de Portugal que esteve detido...será que haverá uma adesão maciça? Não me parece. E estamos a falar de algo que poderia ser uma tradição mensal.
A questão é que se vive nesta época,e de forma exagerada: hipocrisia e consumismo. A primeira parte (hipocrisia) acabo de referir. Pessoas que não têm Fé ou não vivem a religião católica de forma alguma..trocarem prendas. Não faz sentido na minha cabeça. A segunda tem que ver com o consumismo levado ao extremo. Filas de horas para entrar e para sair dos centros comerciais. Magotes de pessoas que de forma desesperada e ansiosa entram e saem das lojas com a preocupação de comprar uma prenda. Uma qualquer. Nem que a mesma nada tenha a ver com o gosto da pessoa a quem se vai oferecer. Acho isso um completo desvirtuar do que é esta quadra. Mas afinal vivemos numa época de consumismo e tudo isto é permitido. Enfim. O Natal é e será sempre das crianças. E para o ano há mais.

Sem comentários: