domingo, janeiro 29, 2017

Jipe e oficina

Ontem foi dia de levar o meu menino à oficina. Quando o comprei fiz uma pequena revisão com o meu mecânico habitual (Land Rover) mas agora, fui a uma oficina recomendada por um fórum da Toyota onde costumo participar.
Como seria de esperar, ainda que o meu mecânico tivesse a melhor das boas vontades (porque sei que tem) há detalhes específicos da marca e modelo que não são iguais entre Toyota e Land Cruiser. E isso faz a diferença toda.
Tenho de ver em breve (próxima semana) algumas situações que carecem de especial atenção. Assim sendo, só aguardo "slot" de disponibilidade para o carro ir para a oficina e para realizar uma boa revisão por quem sabe e conhece bem estes modelos.

domingo, janeiro 22, 2017

O início da Presidência Trump

Mais conturbado não podia ser. O rasgar de alguns acordos que o Obama conseguiu. O isolamento gradual dos USA bem como outras medidas proteccionistas que recentemente vieram a público, tendo como visados os cidadão não americanos, e uma taxação severa dos produtos importados, apontam num mau sentido. Já para não falar do muro...o tão célebre muro. Esperar para ver....

domingo, janeiro 15, 2017

A barriguita

É verdade. Com todo o treino que faço, não deixo de ter uma barriguita. Porquê? Porque gosto de comer.
Qualquer manual ou livro sobre"fitness", na primeira ou segunda página refere o trinómio essencial para quem quer estar bem fisicamente: exercício físico (que faço religiosamente), boa dieta alimentar (que desde há uns meses não cumpro) e finalmente o descanso (até andei uns tempos bem comportado, mas está tudo mal de novo).
Se a questão do descanso é "relativamente" simples de resolver - bastando para isso disciplina e evitar vir ao pc antes de dormir - já a dieta alimentar é mais complicada para mim, na medida em que gosto de comer. A questão é que nem sempre como bem. E consigo identificar perfeitamente os desiquilíbrios: bebidas gaseificadas, açucares, hidratos de carbono e os já meus conhecidos "snacks" ou ceias antes de dormir.
Em jeito de resolução para 2017, quero reverter isto. Agora, já a partir de Fevereiro. Vou tirar o pó à Bimby, que entretanto devo ter usado meia dúzia de vezes. E vou começar a confeccionar coisas light. Veremos como corre. Tenho uma certeza...se comesse o que como e não fizesse nada (treino) não andava...rebolava!

domingo, janeiro 08, 2017

A morte do Pai do João

O João é um dos meus melhores amigos. Conheço-o há mais de 20 anos, por ocasião da minha (longa) estadia no ISEL. Ainda que não tenha concluído nesta faculdade o curso de engenharia, é daquelas amizades que ficam. Assim como mais duas ou três dali. Para sempre.
Nem sempre a minha amizade com o João teve um registo tranquilo. Houve momentos em que deixámos de falar. Arrufos. Motivados por aspectos que eu valorizei na altura e que foram desvalorizados por ele. A vida é isto mesmo. Nem todos gostamos do azul. Ou do amarelo. Mas acabam por ser as diferenças que aproximam as pessoas. Ou as afastam por incompatibilidades incontornáveis.
Desconfiei logo quando recebi o telefonema de manhã cedo. Afinal, o João é daquelas pessoas que gosta de dormir ao Sábado de manhã. Mas aquela hora, deu para desconfiar de imediato. E pensei logo o pior. Quando atendi e senti o choro compulsivo, percebi que algo de grave tinha acontecido. E foi quando me disse que o pai tinha falecido e que nada havia a fazer. A sucessão de acontecimentos a seguir foi, naturalmente, o que se espera de um dos melhores amigos. Acompanhar o processo todo até ontem, dia em que teve lugar a missa do 7º dia.
Apenas e só por ser o pai do João fui ao velório, funeral e missa do 7º dia. Usualmente fujo destas momentos por achar que me fazem mal. Muito mal. Bem sei que são um mal necessário, mas também sei que lido mal com a dôr dos outros e porque não posso fazer nada, ali, naquele momento, para a minimizar. É um pouco por aqui.
Sinto que cumpri parte do meu papel. O restante papel será agora e daqui para a frente, acompanhar o João nesta fase. Ajudá-lo naquilo que fôr preciso e no que estiver ao meu alcance. É por isso que o considero um dos meus melhores amigos e é esse o meu papel.

Nota: Não estou a escrever o texto no dia em que era suposto. Estou a escrever passada uma semana e um dia (usualmente escrevo ao Domingo, como é sabido). Nestes dois Domingos que passaram, o da semana passada e o de ontem não me apeteceu escrever por razões óbvias.