domingo, março 26, 2017

Estreia no TT

Teve lugar no dia de ontem a estreia do meu "menino" no Todo-o-Terreno (TT). Comigo, claro. A ocasião foi um curso de aperfeiçoamento de técnicas de condução fora de estrada, e, sinceramente, melhor era impossível.
Não partilho o texto pelo facto de ser um (orgulhoso) proprietário de um veículo da marca nipónica. Partilho sim, pelo facto de ter tido outro jipe, de outra marca concorrente e conseguir, com conhecimento de causa e propriedade comparar a utilização que fiz com o passado e aquela que faço agora, bem como as prestações de um jipe e do outro.
Bom, para começar, as dimensões exteriores. O meu actual jipe deverá ser cerca de duas vezes superior na cota de comprimento. Já na cota da largura, mais um palmo e meio. E por último, em altura, deve ser ela por ela. Significa isto, grosseiramente falando, que tenho um "tanque de guerra".
Para quem conhece os princípios básicos do TT, há 3 ângulos que é necessário serem tidos em consideração nesta actividade - ver figura abaixo exemplificativa: a) Ângulo de Ataque, b) Ângulo Ventral e c) Ângulo de Saída. Não irei dissertar muito sobre os mesmos até porque não é meu objectivo entrar num detalhe muito técnico. O que interessa reter é que os ângulos de a) e c) estão relacionados com a abordagem de obstáculos, quer de frente e na saída dos mesmos, respectivamente, e o de b) com a transposição dos mesmos (altura da barriga do jipe ao solo):

Comparativamente com o jipe anterior, o actual perde em quase todos os ângulos. Razão? Tem mais plásticos (i.e. pára-choques dianteiro e traseiro), estribos (para facilitar a entrada para o habitáculo) - aspectos que o outro jipe não tinha - e consequentemente há um maior compromisso na abordagem de alguns obstáculos - ainda que não tenha sentido durante este curso, na medida em que o mesmo foi pensado numa óptica de transposição facilitada dos vários obstáculos. O "pisar" sim, é diferente. Por "pisar" entenda-se o quão filtrado pode ser o contacto entre o solo e o que se sente no interior do carro - por mim e pelos ocupantes, claro. E aqui sim, o actual jipe é muitíssimo superior. É um carro mais pesado e mais largo, pelo que a estabilidade é necessariamente superior. Na transposição de alguns aspectos, onde eventualmente teria algumas reservas com o meu anterior jipe (ainda que fosse perfeitamente capaz de os ultrapassar), aqui sinto confiança. Determinação. Segurança quando o faço. Em termos de conforto não há qualquer comparação possível. Estamos perante um carro anterior facilmente conotado com carro de trabalho (e obviamente espartano em termos de equipamento) e um carro que já foi o topo de gama da marca nipónica e com equipamento consequentemente mais luxuoso.
Foi quase tirada a ferros a minha ida ao curso. O jipe só me foi entregue na noite do dia anterior ao curso, porque houve um atraso significativo na chegada de umas peças (i.e sistema de travagem). Consequentemente, e perante todo o atraso, fui avaliando a situação com o mecânico e, em alternativa à não realização do curso, optámos por voltar a montar tudo (o carro tinha sido desmontado entretanto) e fui fazer o curso. Terei agora de o ir entregar de novo para realizarem o trabalho que ainda está por fazer.
O saldo não podia ser melhor. Venham mais passeios/cursos!

Sem comentários: