domingo, junho 25, 2017

A descoordenação dos "media"

Não há jornal ou bloco noticioso que não tenha realizado uma manchete relativa ao infeliz acontecimento que a semana passada ceifou a vida a quase 70 pessoas. O que em alguns casos, até consigo, com algum esforço, perceber (e não rotular) como sendo uma ferramenta ardilosa para o aproveitamento ou ainda um "meio-para-obter-share". E antes que comecem as vozes dissonantes, eu explico.
Já aqui tenho feito referência por várias vezes à grande diferença entre o bom e o mau jornalismo. O bom jornalismo dá trabalho. O mau jornalismo não. O bom jornalismo demora tempo porque sugere ou porque requer investigação. O mau jornalismo capta a atenção do público em geral por via de alguma parangona sensacionalista. Neste 2º tipo de jornalismo (i.e. mau), a maioria das notícias é infundada. Baseada em falácias e em imprecisões técnicas, por vezes gritantes.
Há um bom exemplo recente de há poucos dias. Numa altura em que os portugueses querem e precisam (avidamente) de informação quanto ao que se passou em Pedrogão Grande na semana passada - bem como o que falhou - surgem a notícia de governantes cercados por um fogo descontrolado ou ainda uma outra notícia que dava conta de um avião que tinha caído aquando do combate numa determinada frente de incêndio. Mais tarde veio a confirmar-se ter sido ou "roulotte" que se incendiou e não um avião que se tinha despenhado. E os governantes estavam de perfeita saúde.
Não me ocorre uma fórmula perfeita para que se consiga prevenir este tipo de questões. Irá haver sempre estas notícias e esta tornada possível diferenciação. Por um lado, uma clara e certa pressão enorme nas redacções com vista à obtenção de tiragens máximas e picos de audiência. Por outro lado, antipodamente, uma consolidação do jornalismo de investigação. E até concebo que possam existir os 2 tipos de jornalismo na mesma redacção!
A uma semana de distância de mais um episódio que marca a história de Portugal, é notória uma clara tentativa de responsabilização de alguém por este acontecimento. Tenho lido, com atenção, artigos de opinião em vários jornais bem como assisto a alguns comentários televisivos alusivos ao tema. Mais uma vez, Portugal quer sangue. Quer crucificar alguém na praça pública em detrimento de perceber um claro desordenamento territorial perpetuado há décadas. Interesses económicos profundamente enraizados na economia portuguesa. Ou aceitar que tudo tenha acontecido....naturalmente. Algo provocado pela natureza e assim, localmente, estivessem reunidas as condições óptimas para que tudo tivesse acontecido como aconteceu. Não falo obviamente da subsequente descoordenação dos meios de combate. Falo só da causa de tudo isto. Pelo meio ficam 70 famílias que perderam entes queridos e que assistem incrédulas à lavagem da roupa suja que se tem feito. Pior é difícil.

domingo, junho 18, 2017

Incêndio Pedrogão Grande

Mais um ano e mais um texto meu relativo aos incêndios. Todos os anos escrevo sobre este tema. O que revela que as coisas, infelizmente, estão (quase) na mesma.
Portugal acordou com a notícia de - números apurados à hora desta manhã de Domingo - 43 pessoas que perderam a vida no incêndio de Pedrogão Grande. Naturalmente que é de lamentar a perda destas vidas humanas, mas também é o momento certo para serem apuradas as responsabilidades.

Ou seja, espero sinceramente que este seja um evento isolado e que mereça a melhor das atenções por parte de quem governa a nossa Nação. O meu coração estão com as famílias de quem perdeu entes queridos neste infeliz e fatídico momento. Portugal está de luto. Paz às almas dos que partiram.

terça-feira, junho 13, 2017

Regresso à Praia

Calma. Regressar à praia não significa que tenha passado a adorar a praia. Não aconteceu e não irá acontecer. Ir à praia tem associado algumas variáveis que, devidamente conjugadas, conduzem a um resultado que normalmente não me é favorável. Demasiado calor (naqueles dias em que não corre brisa), vento (que levanta a areia), lixo na areia, água fria e pessoas mal-educadas são algumas dessas variáveis que me mantêm, não raro, afastado da praia. Contudo, este ano, o paradigma e abordagem (minha) para com a praia foi alterada.
Para começar, vou para a praia de manhã, cedo. E saio da praia à hora a que tantas vezes cheguei. Faz a diferença toda. Não fico parado na toalha. Circulo. Vou andar a pé. Espairecer. Desopilar. Ver as vistas. E escuso de ficar a torrar na toalha. Vamos ver como corre a partir daqui. Com esta nova forma de estar.

domingo, junho 04, 2017

87ª Feira do Livro de Lisboa

Mais um ano e mais uma visita à Feira do Livro de Lisboa. Desde que me conheço que vou à Feira do Livro. E se não estou em erro, devo ter falhado uma ou duas edições.
Ontem fui à Feira do Livro deste ano. A 87ª Edição, para ser mais preciso. Quem, com eu, já tem vindo a acompanhar as várias edições, pode, com segurança ter um padrão de comparação e perceber o que tem melhorado. Ou nem tanto.
A Feira do Livro é mais do que um evento em que se reúnem vários livreiros, editoras e alfarrabistas. É um momento em que as famílias, por exemplo, quer de dia (parte da tarde) quer à noite, podem usufruir de uma pequena "faixa verde" (Parque Eduardo VII) enquanto procuram um determinado livro (ou as últimas edições de um(a) determinado(a) autor(a)).
Percebe-se facilmente que são várias as editoras que não estão presentes nesta edição da Feira do Livro. Ou porque resolveram não participar ou porque deixaram de existir (i.e. falência) ou ainda porque foram absorvidas pelos grandes grupos. Em todo o caso, o resultado final, é precisamente não haver representantes (barracas) acima de metade do Parque Eduardo VII. Ainda sou do tempo de haver barracas em toda a extensão deste Parque. Mas também é certo que havia menos "condensação" de barracas. Havia 2 filas de barracas em cada corredor do Parque (4 no total). Actualmente há 8 filas de barracas o que faz com que se tenha de "ziguezaguear" entre as 4 filas de barracas de um lado e as 4 do lado oposto para ver as coisas com calma. Talvez seja este o porquê de não haver uma mancha de barracas mais dispersa como houve até há uns anos atrás e que permitia perceber uma mancha colorida em todo o Parque.
Outro aspecto menos bom é a presença da restauração. Um fenómeno que tenho vindo a perceber com mais atenção desde há 3 anos a esta parte. A cada 5 metros que se percorre há uma "roulotte" com cachorros ou hambúrgueres dos "franchisings" que agora estão na moda. E é aflitiva esta realidade em contraponto com a existência de uma ou duas casas de bifanas e pregos de há 25 anos atrás. A tendência será qualquer dia haver mais soluções para comer do que para comprar um livro. E isto desvirtua por completo o conceito do evento.
Espero para o ano não ficar com a sensação que tenho este ano. Que a Feira do Livro tem vindo a perder qualidade.