domingo, junho 25, 2017

A descoordenação dos "media"

Não há jornal ou bloco noticioso que não tenha realizado uma manchete relativa ao infeliz acontecimento que a semana passada ceifou a vida a quase 70 pessoas. O que em alguns casos, até consigo, com algum esforço, perceber (e não rotular) como sendo uma ferramenta ardilosa para o aproveitamento ou ainda um "meio-para-obter-share". E antes que comecem as vozes dissonantes, eu explico.
Já aqui tenho feito referência por várias vezes à grande diferença entre o bom e o mau jornalismo. O bom jornalismo dá trabalho. O mau jornalismo não. O bom jornalismo demora tempo porque sugere ou porque requer investigação. O mau jornalismo capta a atenção do público em geral por via de alguma parangona sensacionalista. Neste 2º tipo de jornalismo (i.e. mau), a maioria das notícias é infundada. Baseada em falácias e em imprecisões técnicas, por vezes gritantes.
Há um bom exemplo recente de há poucos dias. Numa altura em que os portugueses querem e precisam (avidamente) de informação quanto ao que se passou em Pedrogão Grande na semana passada - bem como o que falhou - surgem a notícia de governantes cercados por um fogo descontrolado ou ainda uma outra notícia que dava conta de um avião que tinha caído aquando do combate numa determinada frente de incêndio. Mais tarde veio a confirmar-se ter sido ou "roulotte" que se incendiou e não um avião que se tinha despenhado. E os governantes estavam de perfeita saúde.
Não me ocorre uma fórmula perfeita para que se consiga prevenir este tipo de questões. Irá haver sempre estas notícias e esta tornada possível diferenciação. Por um lado, uma clara e certa pressão enorme nas redacções com vista à obtenção de tiragens máximas e picos de audiência. Por outro lado, antipodamente, uma consolidação do jornalismo de investigação. E até concebo que possam existir os 2 tipos de jornalismo na mesma redacção!
A uma semana de distância de mais um episódio que marca a história de Portugal, é notória uma clara tentativa de responsabilização de alguém por este acontecimento. Tenho lido, com atenção, artigos de opinião em vários jornais bem como assisto a alguns comentários televisivos alusivos ao tema. Mais uma vez, Portugal quer sangue. Quer crucificar alguém na praça pública em detrimento de perceber um claro desordenamento territorial perpetuado há décadas. Interesses económicos profundamente enraizados na economia portuguesa. Ou aceitar que tudo tenha acontecido....naturalmente. Algo provocado pela natureza e assim, localmente, estivessem reunidas as condições óptimas para que tudo tivesse acontecido como aconteceu. Não falo obviamente da subsequente descoordenação dos meios de combate. Falo só da causa de tudo isto. Pelo meio ficam 70 famílias que perderam entes queridos e que assistem incrédulas à lavagem da roupa suja que se tem feito. Pior é difícil.

Sem comentários: